Mother  – As Oito Melodias [KubGames]

mother-1-capaAntes de falar do jogo em si quero dizer que hoje estreio a nova categoria,Análises Retrô!Vai funcionar exatamente igual ás análises comuns,mas será de jogos antigos.Eu queria juntar tudo numa só categoria,mas uma certa pessoa chamada Kub me disse para criar uma nova.

Enfim,vamos falar da análise em si. Mother é um jogo que foge do comum.Na verdade,a franquia inteira é bem diferente.Ele prova que em 1989 os RPGs já eram bem construídos,com uma história profunda,jogabilidade boa e gráficos de ótima qualidade. Isso tudo inspirou Undertale, jogo que já fiz análise no blog e amo de coração. Voltando, claro que Mother sendo produzido pela Nintendo ajudou muito,mas mesmo assim não teve um grande orçamento e uma grande equipe.Mesmo assim foi feito um jogo lindo,explorando ao máximo o que o Nintendinho poderia dar.


História

mother1anniv2012_134Quando você inicia o jogo,a primeira coisa que você vê (tirando a tela de título) é um texto contando sobre uma  nuvem preta que surgiu sobre uma cidade dos EUA.Um casal (George e Maria)desapareceu misteriosamente.Dois anos depois,George volta para a Terra sem sua amada.Sem contar a ninguém sobre o que aconteceu,ele se empenhou numa secreta pesquisa sobre o PSI,poderes psíquicos que dão muito poder para quem o tem. 80 anos depois,seu bisneto Ninten tem que salvar a Terra da ameaça de Giygas,que deseja destruir a Terra.Para isso deve reunir as Oito melodias para que a Rainha Mary consiga detê-lo.

 

 

Jogabilidade e Mecânica

mother-menu-exploracao

AVISO RÁPIDO: Para entender a jogabilidade pegue um controle de NES ou sua imagem. A jogabilidade é
tradicional para um RPG da época. Você controla o personagem com os direcionais do controle. Você pode ir para cima, para baixo, para a direita, para a esquerda e as direções diagonais. Isso é quando você está no “modo exploração”, ou seja, pode andar para qualquer lado explorando o local. Usando o B você interage e o A recusa a interação e mostra o status do personagem. Simples não é? Você pode interagir de quatro formas: Falar, Checar, PSI e Bens. O falar só pode ser usado em um NPC, para dialogar ou conseguir informações. Quando você checa, pode conseguir informações sobre os elementos do cenário. Ao utilizar PSI, você pode escolher entre os seus poderes como Telepatia, Cura, Medicina, etc. Por fim, os bens são para utilizar os itens. Esse é o “modo exploração”. Agora vamos ao “modo de luta”, que é quando você está em combate com algum mob.

No “modo de luta” você tem oito opções: Ataca, Auto, PSI, Defende, Bens, Foge, Analisar e Configurações. Parece muito masmother-1-print-2 todos são bem óbvios. O atacar serve para infligir dano ao inimigo, que dependendo da sua arma equipada vai causar mais ou menos danos. O auto serve para colocar a batalha em automático, sendo que o jogo controla as ações (não recomendado em batalhas difíceis). O PSI tem a mesma utilidade que no “modo exploração” só que agora você pode usar PSI de Ataque, Raio, Fogo, Hipnose, Congelamento, etc. Defende faz com que você bloqueie o ataque do adversário, diminuindo a quantidade de dano recebida. Bens serve para utilizar itens que recuperam vida, aumentam seu ataque, armas de uso único e etc. Com Foge você escapa da batalha e não recebe itens, dinheiro ou XP (pode falhar, principalmente quando o inimigo é forte). Para analisar o ataque, defesa do mob e o que ele está fazendo ou pensando use Analisar. Por último as Configurações configuram a velocidade do texto que aparece.

Quando você termina uma batalha, você ganha XP, dinheiro (que é recebido no banco) e ás vezes itens que podem ser utilizados em batalhas futuras. Quando você junta XP suficiente,  seu personagem evoluí de level. Ao evoluir de level você sobre em luta, agilidade, inteligência, força, vigor, HP Máximo (Máximo de vida), PP Máximo (quantidade de poder que você gasta usando PSI) e pode ganhar novas habilidades.

Gráficos

mother-1-graficosOs gráficos são lindos, perfeitos para um jogo de NES. Enquanto eu jogava o tempo todo pensava: “Como tudo isso coube num simples cartucho de NES?” Talvez eu esteja exagerando, mas por algum motivo eles são muito bonitos. Já joguei outros RPGs de NES, e se for pra comparar, Mother ganha de lavada. Talvez seja o estilo diferente que me atraiu. Cada lugar dá sensação de um local diferente, com uma simples mas bem feita imersão. Os personagens tem um ótimo estilo, deixando cada um único.

 

Música

A música é algo fantástico. Realmente marcante, talvez seja o ponto mais interessante. O mais legal é que ela é muito importante para a história, já que são com as Oito Melodias que você ganha o jogo. Pra falar a verdade, tudo gira em torno delas, tanto nesse quanto em sua continuação, e eu fico muito feliz que foram feitas com capricho. Vou colocar as oito melodias aqui para ouvir, na versão NES (oito bits) e a versão orquestral.

Personagens

Em sua jornada você vai encontrar amigos que te ajudarão a derrotar o terrível Giygas. Os personagens são muito bem definidos, carismáticos e com certeza marcantes.
Ninten: Bisneto de George, tem 12 anos e é dotado do PSI, uma característica alienígena que faz com que ele possa usar poderes psíquicos para derrotar o mal. Mora em Podunk (Dia das Mães) e veeste um boné vermelho e uma roupa azul listrada. Seu pai é desconhecido, apenas aparecendo por ligações para salvar o jogo, dar dinheiro e falar quanto XP falta para evoluir de nível. Sua mãe e suas irmãs o ajudam quando ele precisa. É muito semelhante a Ness, protagonista da continuação Mother 2, por usar um taco de beisebol e as roupas quase iguais. Uma curiosidade interessante é que ele tem um negócio que acontece em alguns batalhas que é a crise asmática, e não faço ideia o por que de colocarem isso e colocarem apenas no Ninten, mas deixa quieto. Seu objetivo é acabar com Giygas para que a Terra fique salva.

mother-1-charactersLoid: O primeiro personagem a se juntar ao grupo, é um nerd piromaníaco, que em vez de ser forte e ser dotado de PSI, utiliza bombas e armas que envolvem fogo. Tem cabelo branco, usa óculos e uma roupa vermelha. Você o encontra no lixo (pobre coitado) da escola Twinkle Elementary, que fica na cidade de Merrysville (Ação de Graças). Ele é útil nas batalhas, sendo uma força a mais. Seu objetivo é se tornar um herói conhecido por todos.

Ana: A segunda a ser encontrada, demora um tempo até que você a ache. Ela mora na cidade de Snowman (Boneco de Neve) e sonhou com a jornada de Ninten. Ela também é dotada de PSI, o que ajuda demais em batalhas mais complicadas. Uma garota dócil e gentil que veste um bonito vestido rosa. Tem um romance dela com o Ninten durante o jogo, o que faz os ships (casais normalmente feitos por fãs) explodirem até o céu. Seu objetivo é resgatar sua mãe que despareceu misteriosamente após a chegada de Giygas.

Teddy: Último do grupo e o único a não ser criança, mora em Ellay (Valentim) e se faz de durão. Ele aparece lá no final e não fica por muito tempo. Líder da gangue Bla Bla Gang, seu modo de ser faz com que no início pareça um vilão, mas ele acaba se rendendo por ver que até uma criança é mais forte que ele (triste realidade). Veste uma regata vermelha e uma calça amarela com um cabelo anos 80. Luta com uma poderosa Katana que é muito forte. Ele entra em conflito com Loid, o julgando ser mais fraco que ele. Seu objetivo é vingar seus pais que morreram por alienígenas no Monte Itoi, lugar onde Giygas está atualmente.

Giygas: Para finalizar, Giygas é o terrível antagonista alienígena que quer acabar com tudo. Ele guarda ódio por fatos ocorridos em sua vida e por isso faz coisas estranhas e perigosas na Terra, como animais hostis, robôs gigantes, lugares amaldiçoados, desaparecimento misterioso de diversas pessoas e muito mais. Ele tem uma forma muito estranha (que piora no Mother 2) que inspirou o Mewtwo da série Pokémon. É muito forte, sendo apenas possível derrotá-lo com as Oito Melodias.

Pontos Positivos:

  • Gráficos de qualidade
  • Música perfeita, combinada com o ambiente
  • História bem construída e profunda
  • Personagens carismáticos e marcantes

Pontos Negativos:

  • Exploração dificultada pela alta taxa de mobs
  • Seu objetivo pode demorar para ser definido no início já que você não tem muitas pistas sobre o que fazer

Spoilers

rainha-maryMother é daqueles jogos que “começam do nada”, com coisas mal explicadas do começo ao fim do jogo. Tudo bem que tem uma introdução no início contando a base da história, mas muitos mistérios ainda estão soltos, como o motivo de Magicant existir (cidade mágica que você encontra um pouco depois do início do jogo), os pesadelos da Rainha Mary, as oito melodias e principalmente o porque de Giygas querer fazer tudo isso. A resposta só chega depois de reunirmos todas as oito melodias e as cantarmos para a Rainha Mary. Ela explica que ela é Maria, a esposa de George sumida a tanto tempo. Após eles serem abduzidos por alienígenas, eles cuidaram de Giygas, um pequeno alienígena que serviu como um filho para eles. George quis investigar seus poderes, e isso era algo proibido. Ele foi para a Terra, mas Maria continuou cuidando do seu filho alienígena. Após anos, Giygas cresceu e ficou muito poderoso, sendo obrigado a fazer algo que não queria: ser separado de sua mãe adotiva para acabar com a Terra. Ele começou a juntar ódio e por isso quis destruir a qualquer custo os seres humanos que querendo ou não o separaram de sua mãe. Na luta final, Giygas foge por causa das lembranças da linda música que sua mãe cantava (isso serviu como referência a batalha de Asriel Dreemurr em Undertale). Em resumo, Giygas odeia tudo e todos pelo motivo de ser separado de sua mãe. Ele é um vilão com problemas psicológicos que é mal entendido, assim como o famoso Sephiroth de Final Fantasy.


Conclusão

Mother é um jogo incrível que não foi muito bem aproveitado. Sua história é complexa de mais para um jogo de Nintendinho e seus gráficos são ótimos demais pra ser verdade. Infelizmente não foi muito conhecido, mas merce e muito nosso respeito. Shigesato Itoi, seu criador, se inspirou em sua vida para fazê-lo, sendo que o jogo envolve problemas que enfrentamos na vida. O nome Mother é colocado pelo motivo de que durante o jogo inteiro, mostra como as mães são importantes em nossa vida e como devemos dar valor. Isso também é referência a Mãe Natureza ou Mãe Terra, já que crianças salvam o planeta. Essa linda obra inspirou Undertale, um dos meus jogos mais queridos de todos os tempos. Se você quer assistir a uma ótima análise desse jogo, clique aqui para ir ao vídeo do Core Das Antigas, um cara muito bom que fala de RPG. Enfim, Mother merece essa nota com orgulho:

nota-90Jogo: Mother 1

Plataforma: Nintendo Entertainment System, Game Boy Advance e Wii U

Desenvolvedora: Nintendo, Ape Inc. e Pax Softnica

 

 

~~~~Post originalmente lançado em KubGames, por LuiKpédia, no dia 14 de Novembro de 2016~~~~